Fragmentos #11

ilusão de ótica

 

Recentemente vi uma dessas ilusões de ótica, uma imagem de uma parede cuja pintura parecia seguir uma linha íngreme, acentuada, uma subida vigorosa. Mero engano. As linhas eram retas. Perfeitamente alinhadas. Olhei novamente. Meus olhos custaram a acreditar. Meu cérebro resolveu ser lógico. Mediu as distâncias, calculou a matemática, analisou os dados. Sim, eram retas. Li sobre o funcionamento da ilusão de ótica. Compreendi seu mecanismo. Fazia sentido seu efeito. Tudo muito racional. E então olhei novamente para a imagem. Linhas ainda em subida. Mesmo conhecendo a realidade só enxergava a ilusão. Às vezes é assim. A realidade só um conceito posto de lado. E nosso encantamento pela ilusão, seu apelo, supera a verdade que não queremos ver.

Minha mente cria fantasias. Imploro para não criar expectativas. Ela me ignora. E vai além dos meus temores. E cria expectativas, e cenários mirabolantes, e histórias completas com narrativas elaboradas. Livros inteiros, coleções de livros, uma biblioteca antes de qualquer coisa ocorrer fora de minha mente. Para o bem e para o mal. Ou melhor, para o incrível e para o péssimo. Minha consciência é dramática. É atriz de renome, daquelas cheias de exigências, que pede camarim com trezentas toalhas brancas. Faz pose, quer aparecer em todas as fotos. Minha consciência já fez tantas plásticas que já nem reconheço mais seu rosto. Meu inconsciente é sádico. Deve ser, imagino que seja. Ele me manda sinais indecifráveis, me confunde, me engana. Finge que me dará uma resposta, uma solução que nunca chega. Um golpista envolvendo sua vítima com muita lábia. Faz para mim um espetáculo, muita luz e muitos brilhos, mas sem nenhum conteúdo. Castelos são construídos diariamente; sempre de areia, nunca de concreto. E a brisa suave, amiga verdadeira, é quem desfaz as fantasias. É quem se senta ao meu lado sob o céu estrelado, e nomeia planetas, satélites, constelações, galáxias, buracos negros. Mostra a grandeza do que é real.

 

Quer ser minha madrinha ou meu padrinho? Ajude o Bipolar e Afins a crescer clicando aqui! 🙂 Obrigada!!! ❤

Anúncios

5 comentários em “Fragmentos #11”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s